Seguidores

quinta-feira, 28 de abril de 2016

200 milhões de cristãos são perseguidos no mundo: diz Relatório AIS

"Fontana di Trevi" será iluminada de vermelho, simbolizando o sangue dos mártires mortos por ódio à fé - RV

Fonte: http://br.radiovaticana.va/

"Fontana di Trevi" será iluminada de vermelho, simbolizando o sangue dos mártires mortos por ódio à fé - RV
"Fontana di Trevi" iluminada de vermelho
Os cristãos são o maior grupo religioso perseguido no mundo e suas condições continuam piorando em muitos dos países em que há tempos enfrentam graves limites à liberdade religiosa. É o que afirma o Relatório sobre a liberdade religiosa, publicado pela fundação “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS).
Publicado desde 1999, de edição em edição o Relatório da AIS continua denunciando a dramática tendência.

Para sensibilizar mais a opinião pública ao tema da perseguição, esta sexta-feira (29/04) a AIS iluminará a “Fontana di Trevi” de vermelho, simbolizando o sangue dos mártires cristãos mortos hoje por ódio à fé (considerada uma das mais célebres do mundo, a “Fontana de Trevi” é a maior fonte luminosa de Roma, ndr).

Estima-se que os cristãos perseguidos no mundo inteiro são cerca de 200 milhões. E em muitas áreas as condições deles continuam piorando.

Na África, onde grupos jihadistas como Boko Haram e al Shabab ganham sempre mais terreno. Na Ásia, onde aos fundamentalismos islâmico, hindu e budista se soma a perseguição perpetrada por regimes totalitários como o norte-coreano.

Entre os cenários mais difíceis, obviamente, o do Oriente Médio. No Iraque, onde de 2002 até hoje a população cristã passou de um milhão para menos de 300 mil, com uma impressionante média de 60/100 mil que deixaram o país a cada ano. Se a tendência continuar, em apenas cinco anos a comunidade cristã deixará de existir no País do Golfo.

Também o Patriarca caldeu de Bagdá, Dom Louis Raphael I Sako, aderiu à iniciativa da AIS. “Na sexta-feira à noite nos uniremos a vocês em oração. De tal modo, teremos a alegria de estar em comunhão e unidade com todo o mundo cristão”.

O Patriarca ressalta a necessidade de crescer na opinião pública a consciência do martírio. “Infelizmente, perseguir os cristãos tornou-se um fenômeno difuso. Não somente no Iraque, mas em muitas partes do mundo e até no Ocidente, onde os fiéis são discriminados.”

Além disso, ele recorda o valor do testemunho dos mártires cristãos: “Um modelo de amor total, fidelidade e sacrifício que deve levar todos a refletir. Nós, cristãos iraquianos, adquirimos força do testemunho de fé deles e temos a convicção de que o sangue dos mártires nos dará muita esperança e conseguirá mudar a situação atual”.

Na noite desta sexta-feira, diante da “Fontana di Trevi”, falará o bispo caldeu de Aleppo, Dom Antoine Audo, estes dias na Itália convidado da AIS para testemunhar o drama dos cristãos na Síria.

Também a Síria corre hoje o risco de acabar sem a presença de cristãos. Segundo Dom Audo, de um milhão e meio de cristãos que viviam no país antes da guerra, restaram apenas 500 mil. O símbolo do êxodo de fiéis da Síria é a cidade-mártir de Aleppo, até 2011 reduto do cristianismo na Síria e casa de 160 mil fiéis. Hoje restam apenas 40 mil. (RL)

O protagonista da Igreja é o Espírito Santo, Disse o Papa Francisco

O Papa Francisco celebrou a Santa Missa na manhã desta quinta-feira, (28/04), na capela da Casa Santa Marta e afirmou: O Espírito Santo é o Protagonista da Igreja.

Fonte: http://br.radiovaticana.va/

O Papa Francisco celebrou a Santa Missa na manhã desta quinta-feira, (28/04) e afirmou: O Espírito Santo é o Protagonista da Igreja.
Papa Francisco celebrando a Santa Missa - Em 28/Abr/2016
Na sua homilia, comentando a célebre passagem dos Atos dos Apóstolos sobre o chamado “Concílio” de Jerusalém, o Papa observa que “o protagonista da Igreja” é o Espírito Santo. “É Ele que desde o primeiro momento deu força aos apóstolos para proclamar o Evangelho”, é “o Espírito que faz tudo, o Espírito que conduz a Igreja adiante” mesmo “com seus problemas”, mesmo "quando se desencadeia a perseguição” é “Ele que dá força aos crentes para permanecerem na fé”, inclusive nos momentos “de resistência e insistência dos doutores da lei”.

Neste caso, há uma dupla resistência à ação do Espírito: a daqueles que acreditavam que “Jesus tinha vindo somente para o povo eleito” e daqueles que queriam impor a lei de Moisés, incluindo a circuncisão, aos pagãos convertidos. O Papa observou que "houve uma grande confusão em tudo isso":

“O Espírito colocava seus corações em uma estrada nova: eram as surpresas do Espírito. E os apóstolos viram-se em situações que nunca teriam imaginado, situações novas. E como lidar com estas novas situações? Por isso, a narração de hoje começa assim: 'Naqueles dias, tinha surgido uma grande discussão', uma calorosa discussão, porque discutiam sobre este assunto. Eles, por um lado, tinham o poder do Espírito – o protagonista – que impulsionava a avançar, avançar, avançar ... Mas o Espírito os levava a certas novidades, certas coisas que nunca tinham sido feitas. Nunca. Nem mesmo as tinham imaginado. Que os pagãos recebessem o Espírito Santo, por exemplo”.

Os discípulos “tinham um grande problema nas mãos e não sabiam o que fazer”. Assim, convocaram uma reunião em Jerusalém, onde “cada um contou a sua experiência” de como o Espírito Santo também descesse sobre os pagãos:

“E, no final, chegaram a um acordo. Mas antes há uma coisa bonita: 'Toda a assembleia ficou em silêncio e ouviu Barnabé e Paulo, que relatavam os grandes sinais e prodígios que Deus havia realizado entre as nações, entre eles'. Ouvir, não ter medo de ouvir. Quando alguém tem medo de ouvir, não tem o Espírito em seu coração. Ouvir: 'Você o que acha e por quê?'. Ouvir com humildade. E, depois, de terem ouvido decidiram enviar às comunidades gregas, isto é, aos cristãos que vieram do paganismo, enviar alguns discípulos para tranquilizá-los e dizer-lhes: 'Tudo bem, continuem assim’”.

Depois de ouvir e discutir, decidem escrever uma carta na qual “o protagonista é o Espírito Santo”. E então afirmam: “O Espírito Santo e nós decidimos...”. “Este – afirma o Papa – é o caminho da Igreja face às novidades, não às novidades mundanas, como modas e roupas, mas às novidades, as surpresas do Espírito, porque o Espírito sempre nos surpreende. E como a Igreja resolve isso? Como enfrenta estes problemas para resolvê-los? Com reuniões, com a escuta, o debate, a oração e a decisão final”:

“Este é o caminho da Igreja até hoje. E, quando o Espírito nos surpreende com uma coisa que parece nova, ‘que nunca foi assim’, ‘deve-se fazer assim’, pensem no Vaticano II, nas resistências ao Concílio... e o cito porque é um evento próximo de nós. Quantas resistências: ‘mas não...’. Ainda hoje persistem resistências, de uma forma ou outra, e o Espírito vai adiante. O caminho da Igreja é esse: reunir-se, unir-se juntos, ouvir-se, discutir, rezar e decidir. Esta é a chamada sinodalidade da Igreja, na qual se expressa a comunhão da Igreja. E quem faz a comunhão? É o Espírito! De novo é ele o protagonista. O que nos pede o Senhor? Docilidade ao Espírito. O que nos pede o Senhor? Para não termos medo ao ver que é o Espírito que nos chama”.

“O Espírito – releva o Papa – às vezes nos detém”, como fez com São Paulo, para ir de um lugar ao outro, “não nos deixa sós, nos dá coragem, nos dá paciência, nos faz percorrer, seguros, o caminho de Jesus, nos ajuda a vencer as resistências e a ser fortes no martírio”. “Peçamos ao Senhor – concluiu – a graça de entender como a Igreja vai avante, entender como, desde o primeiro momento, enfrentou as surpresas do Espírito e também, para cada um de nós, a graça da docilidade ao Espírito, para percorrermos o caminho que o Senhor Jesus quer para cada um de nós e para toda a Igreja”. (CM-SP)



Para ouvir:  

Satanistas defendem o aborto como “expressão religiosa”

Grupo invadiu protesto de cristãos contra clínica de aborto

Fonte: www.noticias.gospelprime.com.br
por Jarbas Aragão

Satanistas usando máscaras de bebês, manifestam-se à favor do aborto.
Satanistas usando máscaras de bebês
Nos Estados Unidos, o satanismo deixou de ser uma forma de adoração secreta, circunspecta a um templo escuro em local secreto. Nos últimos tempos, os adoradores confessos de Satanás têm vindo a público em manifestações que misturam sua fé com questões políticas. Eles vêm pedindo o reconhecimento de suas crenças no mesmo patamar de todas as outras religiões.

Durante o protesto nacional contra a rede de clínicas de aborto Planned Parenthood no último sábado (23), 228 locais de “controle de paternidade” foram alvos de manifestações de grupos “pró-vida”. Cerca de 10.000 participantes, a imensa maioria de cristãos, foi para a rua defender o direito à vida.

Na cidade de Detroit, Michigan, os membros da organização Templo Satânico interromperam a manifestação de forma bizarra. Vestindo máscaras de bebês e com roupas que parecem ter vindo direto de um sex shop, eles fizeram uma performance teatral que chocou os que passavam pelo local.
Dez pessoas ficaram batendo uns nos outros com chicotes, passando talco e tomando mamadeiras, tentando imitar crianças. Ao mesmo tempo, dois homens encapuzados, que seriam os ‘sacerdotes’ imitavam gestos e frases usadas nas missas católicas.

Para os satanistas, os cristãos não têm direito de se opor ao que chamam de “prestação de serviços” a mulheres que são donas de seus próprios corpos. Sua encenação era uma crítica ao que chamaram de “idolatria dos fetos”. Para eles, esse “erotismo e as imagens poderosas” serviam como “ferramentas para comunicar ideias complexas”.

Os manifestantes do grupo pró-vida filmaram parte da performance grotesca e divulgaram na internet. Também estão fazendo pedidos de oração pela vida dos manifestantes satanistas. Na cidade de Ferndale, também no Michigan, outro grupo de satanistas fez o mesmo tipo de contraprotesto, ofendendo os cristãos do local.